United será uma das primeiras a deixar tripulação pernoitar em Israel após ataque de palestinos do Hamas

Boeing 787-9 da United Airlines

A United Airlines se tornará uma das primeiras companhias aéreas internacionais do mundo a fazer com que pilotos e comissários de bordo pernoitem em Israel, enquanto se prepara para retomar os voos para Tel Aviv. A decisão ocorre após o ataque terrorista do grupo palestino Hamas ao país em 7 de outubro de 2023.

Desafiando seus pares e rivais em toda a indústria da aviação, a United Airlines deixará que sua tripulação faça escala em Tel Aviv entre os voos, afirmando ter trabalhado com especialistas em segurança, bem como autoridades do governo dos EUA, para desenvolver protocolos especiais para manter os funcionários seguros.

A United retomará os voos de Newark para Tel Aviv no próximo dia 2 de março com um serviço especial que fará uma breve escala em Munique, na Alemanha, antes de continuar para Israel. Não haverá serviço em 3 de março, mas um segundo voo especial com escala em Munique operará novamente em 4 de março.

A breve parada em Munique será para uma troca de tripulação, o que significa que os pilotos e comissários de bordo que operam esses voos não pernoitarão em Israel, mas a United explica que a escala é para “garantir que todos os prestadores de serviços estejam prontos para apoiar o serviço sem escalas de e para Newark“.

A partir de 6 de março, a United diz que retomará voos diários sem escalas entre Newark e Tel Aviv, que exigirão que a tripulação permaneça pelo menos 24 horas em Israel. A companhia aérea também diz estar “ansiosa” para iniciar um segundo voo diário de Newark à medida que a demanda se recupera.

De acordo com o site Paddle Your Paddle Your Kanoo, fontes afirmam que as reservas para o primeiro voo de Newark para Tel Aviv já parecem “muito fortes” e podem ser o “destaque” de receita da companhia aérea nos próximos meses.

Explicando sua decisão de permitir que a tripulação pernoite em Tel Aviv, um porta-voz da United disse que a companhia aérea “realizou uma análise de segurança detalhada ao tomar essa decisão, incluindo um trabalho próximo com especialistas em segurança e autoridades governamentais nos Estados Unidos e em Israel“.

Também trabalhamos em estreita colaboração com a Air Line Pilots Association e a Association of Flight Attendants para desenvolver os protocolos para garantir que eles estejam seguros e bem informados.

A declaração continuou: “A United continuará monitorando a situação em Tel Aviv e ajustando o cronograma conforme necessário, incluindo alterações no serviço retomado de Nova York / Newark anunciado hoje“.

Em contraste, outras companhias aéreas internacionais que já retomaram voos para Tel Aviv ou estão planejando seu retorno nas próximas semanas alteraram suas operações para evitar que a tripulação precise ficar em Israel. Por exemplo, o Grupo Lufthansa está operando serviços chamados de turnaround para Tel Aviv, onde os pilotos e comissários de bordo não saem do avião e imediatamente retornam para casa. Essa abordagem seria impossível para a United.

A United também está considerando retomar o serviço para Tel Aviv a partir de São Francisco, Washington Dulles e Chicago O’Hare, embora esses voos não recomecem até o outono, no mínimo.

Leia mais:

Juliano Gianotto
Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Voos de carga da Ethiopian vão aterrissar em mais um destino...

0
Ethiopian Airlines Group ganhou a autorização para operar serviços regulares de carga de e para a Colômbia, mais especificamente a partir