Voo de quatro horas sem banheiro leva passageiros ao desespero; empresa nega

Imagem: Tomás Del Coro / CC BY-SA 2.0, via Flickr

Passageiros da JetBlue denunciaram uma situação limite quando a companhia operou um voo de Santo Domingo, na República Dominicana, para Boston, nos Estados Unidos, sem ao menos um banheiro funcionando. A situação caótica teria ocorrido no dia 9 de abril e gerou reclamações generalizadas de quem estava a bordo, mas a companhia nega qualquer problema.

O voo 1830 decolou naquele sábado depois de um atraso de mais de duas horas. Ao longo da viagem de 3 horas e 50 minutos de duração os lavatórios permaneceram fechados, sem opção para os viajantes a bordo.  Após chegar na cidade norte-americana, passageiros denunciaram a situação. Segundo o portal dominicano Listín Diário, um homem relatou que estava “prestes a urinar no corredor do aeroporto depois que o avião pousou”.

A companhia aérea se apressou a negar o ocorrido. “Verificamos com nossa equipe de manutenção, de voo e de bordo, e determinamos que todos os banheiros estavam funcionando no voo 1830 com serviço de Santo Domingo a Boston no sábado. Não temos certeza de onde esse mal-entendido começou, mas a tripulação confirma que os clientes estavam usando os banheiros durante o voo”, disse a empresa, em nota à imprensa.

Num caso semelhante, em agosto de 2018, o voo AA-663, da American Airlines, de Phoenix para Kona, no Havaí, perdeu todos os banheiros em funcionamento durante a viagem. O problema começou quando um passageiro jogou uma fralda no vaso sanitário e fez com que todo o sistema parasse de funcionar no meio do voo de seis horas e meia. Na ocasião, uma comissária chegou a sugerir que as pessoas usassem bolsas e garrafas para se aliviar.

Fabio Farias
Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

Passageira disse ter sido humilhada em voo após acharem que ela...

0
A passageira teria sido expulsa da aeronave da Spirit Airlines, após o comissário confundir uma infecção com sintomas da Monkeypox.