Com Airbus, NASA e outros, FAA forma grupo para revisar processos de segurança da Boeing

Na última quinta-feira (5), a Administração Federal de Aviação (FAA) nomeou um grupo de especialistas em aviação que analisará questões relacionadas à segurança na Boeing, após os eventos ocorridos com o 737 MAX.

De acordo com o comunicado da FAA, o painel composto por 24 especialistas terá nove meses para revisar a cultura de segurança da Boeing, bem como os processos de gerenciamento de segurança, antes de emitir conclusões e recomendações ao fabricante.

A lista de membros consiste em engenheiros da Pratt & Whitney, GE Aerospace, Gulfstream, Bell Textron, Airbus Americas, bem como representantes de vários sindicatos de empresas aéreas e especialistas da FAA e da NASA. 

Além dos engenheiros e especialistas, o grupo também será representado por executivos da American Airlines, United Airlines e Southwest Airlines, que atualmente operam inúmeros aviões Boeing 737 MAX, e serão incluídos no painel de revisão que aborda um requisito fundamental (Seção 103) na Lei de Certificação, Segurança e Responsabilidade de Aeronaves de 2020.

Em setembro passado, a FAA reforçou sua supervisão dos fabricantes de aviação autorizados como detentores de Autorização de Designação de Organização (ODA), que é a capacidade de auto certificar seus produtos, tomando medidas para proteger os funcionários das fabricantes que desempenham funções de fiscalização para a FAA contra a interferência dos empregadores. 

A agência emitiu a política final que exige que os detentores de ODA monitorem, relatem e investiguem todas as alegações de interferência e relatem os resultados à FAA. Também estabeleceu um caminho claro para esses funcionários da indústria falarem livremente com os oficiais de certificação da FAA a qualquer momento. Esses funcionários devem ser treinados sobre a nova política.

Leia mais:

Juliano Gianotto
Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Desvio de dinheiro na negociação de dois Boeing 777 envolve 23...

0
A Comissão Anticorrupção de Bangladesh abriu um processo contra 23 funcionários da companhia aérea Biman Bangladesh, acusados